Quem diabos é essa tal de SARAH?!

Atualizado: Jun 1

S.A.R.A.H não é uma vilã malvada, tampouco uma inteligência artificial. A sigla significa Ser Artificial Restrito ao Aprendizado Humano e é o que está por trás do ecoapocalipse. Mas qual a diferença de Inteligência Artificial e Ser Artificial? A inteligência artificial, resumidamente, é uma espécie de programa que opera um computador ou uma máquina, mas é criado dentro dele. O Ser Artificial é um pouquinho mais complexo! Isso porque ela foi projetada como uma tecnologia híbrida entre máquina e ser biológico. Seu sistema é operado por nanocélulas modificadas através de engenharia genética que respondem aos comandos de um supercomputador, fazendo com que ela tenha o melhor de uma máquina e o melhor de um ser vivo. Esta tecnologia toda foi desenvolvida num gigantesco prédio numa região afastada da cidade, que funciona como o seu corpo.



Esboço do prédio da S.A.R.A.H, por nosso ilustrador Kauê Daiprai
Esboço do prédio da S.A.R.A.H, por nosso ilustrador Kauê Daiprai

S.A.R.A.H não tem aspectos humanoides ou uma voz. Sua comunicação funciona por meio de um sofisticado sistema de luz-som projetado numa sala apelidada pelos cientistas de A Atmosfera. O nome se deu porque S.A.R.A.H criava paisagens de luz-som a partir da interpretação de sua leitura de dados, o que conseguia alterar toda a atmosfera do lugar. Era como estar diante de um grande caleidoscópio visual e sonoro. Além disso, seu sistema de informação é armazenado num grande banco de dados tecnorgânico, povoado por bilhares de colônias de bactérias inteligentes que carregam um chip de frequência, tornando possível armazenar toneladas de dados dentro delas. Por serem seres vivos, ficam imersas num líquido nutritivo numa complexa tubulação no interior do prédio, e viajam por todos os lados portando informação. SARAH se comunica com elas a partir de frequência emitidas através de seu computador central, produzindo caldos hormonais que as faz se mover. Mas você deve estar se perguntando: por que SARAH foi projetada? Para operar a Célula Selvagem, que é a tecnologia utilizada para controlar o clima. Mas isso falaremos em outra postagem!


Quem está a cargo de projetar as paisagens do livro é o ilustrador monstro Kauê Daiprai, que está pegando referências de mundos pós-apocalipticos e futuristas, tentando criar paisagens desoladas tomadas por vegetação e que tenham pequenas narrativas visuais para deixar tudo mais imersivo e SELVAGEM!

43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo